sexta-feira, 16 de julho de 2010

Exame nacional de GD-A de 2010 - 2ª fase

Depois do exame de hoje, que terminará por volta das 17h00, publicarei aqui a minha proposta de resolução do exame.
Boa sorte para o exame e até logo.

23 comentários:

Anónimo disse...

No primeiro exercicio marquei mal a recta do beta 1/3. Fi-la concorrente com a recta a. De resto os meu processo de resoluçao esta correcto. quanto me descontará?

Anónimo disse...

Vou ter 20 :D

ah, fiz o primeiro por outra forma, nao fui por esse processo de encontrar um ponto do B1/3

Anónimo disse...

Qual e o angulo do segundo exercício

Anónimo disse...

eu tambem nao encontrei o ponto do b1/3. marquei a recta b num local ao acaso e com um plano é defenido por duas rectas concorrentes, fiz passar uma recta parela a recta a que posso concorrecte com a recta b, ou seja , nao encontrei o plano alfa mas sim um paralelo e depois determinei o que continha o ponto R

Anónimo disse...

o angulo deu-me 71º

Anónimo disse...

A resolução do 2.º exercício não está mal na parte do rebatimento ????

Anónimo disse...

Aqui há gato, o meu exercício 2 não dá igual, mas eu axo que o meu tá certo.
O meu angulo deu 72 graus, aqui não dá para medir, mas parece maior

Anónimo disse...

Não há gato...há erro de rebatimento...é melhor corrigir!

João

Anónimo disse...

Tem erro sim senhor :) grande gralha!

Paulo

Vera Viana disse...

Muitíssimo obrigada a quem reparou no erro no rebatimento do exercício 2. Já está corrigido.
Amanhã responderei a todos os vossos comentários.

Anónimo disse...

O angulo mede 73°, mais precisamente, 72,6°.
Ha com efeito, um erro na construcao do triangulo de rebatimento.

Anónimo disse...

Vera, so mais um pequeno pormenor, o angulo do plano de topo tem de ser corrigido.

Vera Viana disse...

Ao último anónimo que me escreveu, corrigindo o ângulo do plano de topo:

Antes de mais, muito obrigada por ter reparado no lapso - de facto tinha marcado 60º em vez de 50º para o ângulo do plano de topo com o P.H.P.

E muitíssimo obrigada, não só a si como aos outros visitantes, por serem os meus correctores on-line.
Perdoar-me-ão por hoje não responder a comentários, mas este foi um dia muito cansativo. Volto amanhã para vos respodner.
Bem hajam.

João Paulo Araújo disse...

Olá Vera, parabéns pelo novo site.

Como professor da disciplina questiono os critérios de correcção quanto à questão 1.
São atribuidos pontos à representação dos dados, nomeadamente ao ponto "S", à recta "a", e à recta "b".
No processo de resolução são atribuidos pontos a 2 tipos de processos, excluindo sempre a forma directa da representação do plano alfa.
Gostaria de conhecer a sua posição relativamente à legitimidade destes critérios uma vez que certos pontos são atribuidos a representações que não são solicitadas no enunciado.

Com os melhores cumprimentos, João Araújo (do blogue gdarte.blogspot.com)

Vera Viana disse...

Bom dia e obrigada a todos pela visita e pelos comentários.

Começando por responder a todos quantos fizeram comentários sobre o ex. 1:
- para a representação da recta b, era sempre necessário que fosse determinado um ponto do beta 1,3 do plano, porque a recta b só contém pontos desse tipo. A opção mais elementar seria a determinação do traço da recta a no beta 1,3 (o ponto Q, de cota igual ao afastamento), por onde faríamos depois passar a recta b. Chamo a atenção para o facto de que não era necessário que este ponto pertencesse à recta a, mas tinha de, necessariamente, pertencer ao plano, pois de outro modo, a restante resolução estará incorrecta, porque as rectas a e b serão não-complanares.
No entanto, mesmo que esta parte do exercício esteja incorrecta, o raciocínio utilizado para a determinação do plano pi poderá não estar, pelo que haverá sempre alguns pontos a contabilizar, embora não me seja possível dar indicações precisas sobre isto, uma vez que depende do que cada aluno fez.
Ao aluno que fez um plano paralelo ao alfa, pelo que diz, a sua resolução não estará incorrecta, se o mesmo raciocínio tiver sido aplicado na determinação do plano pi (desenhar uma recta paralela a uma das rectas de alfa para determinar os traços de pi).

Relativamente ao ex. 2, já respondi ontem e agradeço novamente a quem me chamou a atenção para os erros. O ângulo resultante é de aproximadanmente 72º (71,87).

Ao colega João Paulo Araújo:
Os critérios de classificação relativos à tradução gráfica de dados atribuem cotações às projecções da recta a e à direcção da projecção frontal da recta b, porque se tratam de dados do enunciado que devem sempre ser representados, independentemente do processo de resolução adoptado.
O processo de resolução apresentado pelos alunos pode sempre diferir dos dois exemplos sugeridos pelos critérios da prova.
No "Processo de resolução", como sabe, existem diversos processos possíveis, uns graficamente mais simples, outros menos, não interferindo um processo ou outro na cotação a atribuir. O que importa é que o aluno seja capaz de resolver o exercício, mesmo que siga processos muitíssimos mais trabalhosos do que o que outra pessoa utilizaria.
Sabe também que as sequências de passos indicadas nos critérios específicos constituem apenas exemplos, mas desde que "os problemas tenham sido correctamente resolvidos, a
pontuação prevista para [o processo de resolução] deve ser atribuída na totalidade" e, "em caso de erro, e após
análise dos traçados apresentados, esta pontuação global (...) subdividida de forma adequada ao
processo de resolução apresentado".
Não é, portanto, necessário, por exemplo, determinar os traços do plano alfa, a projecção horizontal da recta b ou o traço da recta a no beta 1,3, conforme referi mais acima.
Se o aluno for capaz de resolver um problema com um ou dois passos correctos, só está de parabéns pela correcção do seu raciocínio, mas um aluno que segue dez ou doze tem direito à mesma cotação do que o primeiro e esta é uma das mais-valias desta ciência, o de permitir ao aluno raciocinar por si próprio.
Creio que acabei por divergir do que perguntou, mas salientaria novamente que os itens do processo de resolução não devem nunca deixar de ser considerados como exemplos.
Mas se assim o entender, direccione as suas críticas sobre estes critérios para o GAVE. Como entidade autora das provas e respectivos critérios, penso que receberão cordialmente todos os comentários oportunos dos colegas que leccionam a disciplina.

Um abraço a todos.

vi disse...

no primeiro exercicio passei pelo ponto P uma recta paralela á recta a em vez da recta do B1/3 e fiz o processo igual para encontrar os traços do plano, está correcto?

Anónimo disse...

No segundo exercício marquei a abertura do ângulo do plano para o lado contrário ao indicado, devido a uma má leitura.
O exercício estaria todo certo, não fosse este erro.
Poderá dizer-me o quanto puderá influenciar na cotação final do exercício?

Anónimo disse...

ola...
eu errei as visibilidades nas arestas C2C'2 e D2D'2 no exercicio 3 e consequentemente nao indiquei a sombra própria na projecção frontal.
será que me pode dizer quantos pontos irão ser descontados por causa destes erros?
porque eu nao consigo perceber muito bem como se aplicam aquelas tabelas dos critérios. :S
obrigada,
Daniela Silva

Anónimo disse...

eu marquei a recta b no ponto da recta a, com 30 em baixo e em cima mas meidante esse erro determinei os dois planos paralelos sera descontado quanto +/-?
parabens pelo seu trabalho.

Vera Viana disse...

Resposta a vi:
Se tiver desenhado, passando por P, uma recta paralela à recta b e determinado depois os traços desta recta e da outra para fazer os traços do plano, então terá a sua resolução correcta. Se não desenhou as rectas a e b do enunciado, poderá não ter os 50 pontos, por lhe faltarem alguns dados do exercício.

Resposta ao Anónimo:
Provavelmente, será penalizado em 1 ponto, pelo lapso no ângulo do plano e, se a restante resolução estiver correcta, talvez também no resultado final pretendido que, por não corresponder integralmente ao que era pedido, pode sofrer a penalização de um ponto também. Não se esqueça que podem existir outros lapsos no seu exercício também descontáveis, mas se for apenas o que refere, a penalização poderá ser entre 2 e 3 pontos.

Resposta à Daniela Silva:
As invisibilidades poderão sofrer a penalização de 1 ponto por cada uma que esteja incorrecta. No seu caso, tal interferiu também na determinação da sombra própria do objecto, pelo que este item também deverá ser descontado em 2 pontos.
Se não existirem mais lapsos, será mais ou menos essa a penalização do seu exercício.

Resposta ao anónimo:
nesse caso, o seu exercício apresenta incorrecções nos dados do enunciado que determinam um resultado diferente. Só consultando mesmo o exercício
que fez é que se poderia ter uma
ideia aproximada, de acordo com a sua resolução.

Boa sorte para os resultados e obrigada pela visita.

Anónimo disse...

acabei agora o 10º ano, ou seja, o primeiro ano de geometria, queria colocar a questao por causa da minha professora, ela vem dissendo que mesmo que terminemos o 10º com 15/16 é muito dificil acompanhar a materia do 11º, eu fui uma aluno bastante irregular durante o ano passo a escrever as notas: 1ºP - 15, no 2ºP - 13 ja com a nota do 2º sendo a nota real 11 mas terminei o 10º com 16 porque a nota só do 3ºP foi de 18. partilha a opiniao da minha professora que 16 nao é uma boa nota tendo em conta a minha irregulidade? quero esclarecer que nao me vou encostar a sombra por causa o 16 ate porque tenho de subir a minha média é que o 11º na geometria nao pode ser assim tao mal como a minha professora pinta...

Vera Viana disse...

Não lhe sei dizer se o 11º ano lhe irá correr mal, porque isso depende não só dos seus conhecimentos da matéria do 10º ano, mas também da forma como será dada a matéria do 11º ano. É um facto que é imprescindível que os alunos tenham boas bases de 10º a esta disciplina, mas não quer dizer que, à partida, terão negativa no 11º ano só pelo facto de as coisas, antes, não terem corrido tão regularmente como seria de esperar. Por vezes acontece, aos meus alunos, que no 11º ano, os resultados melhoram muito, não só porque, à partida, os alunos já saberão como se estuda para a disciplina, mas também e, sobretudo, porque a capacidade de abstracção, o raciocínio lógico-dedutivo e a capacidade de articular conhecimentos são melhores.
Não se preocupe excessivamente com isso por enquanto, mas não deixe de dar o seu melhor mal comece o 11º ano, porque toda a matéria que aprender será importante para o exame final.
Boas férias e bom trabalho, quando começar

Anónimo disse...

não concordo com a indicação de 7 na pespectiva cavaleira, induz em erro. o afastamento da outra face é 11 cm.
mesmo que se queira dizer que é 7 por ser quadrado é incorrecto indicar desse modo.
agradeço de qualquer modo o facto ter-nos disponibilizado as suas propostas. estavamos ansiosos por confirmar os resultados